Um dia em Inhotim

Um dia em Inhotim

– Que lugar lindo!

– Uau! Coisa de primeiro Mundo!

– Nunca imaginei ver isto no Brasil.

Se ao Passear em Inhotim você prestar atenção na reação das pessoas, você certamente ouvirá alguma das frases acima, e porque não dizer, você acabara pensando ou falando o mesmo. Inhotim é uma grata surpresa. Limpo, organizado, muito bem planejado, com toda infra-estrutura que um visitante precisa, incluindo estacionamento e wi-fi gratuito nos dois restaurantes. Realmente, estas não são características comuns de encontrarmos juntas no nosso país. Mas está lá, em Brumadinho, cidade a cerca de 1 hora de Belo Horizonte e tem que ser incluído na sua próxima visita em Minas Gerais (veja aqui como chegar).

Na entrada temos as bilheterias e a loja de presentes, aqui você precisa tomar uma importante decisão. Inhotim é um museu de arte contemporânea a céu aberto, instalado em um parque amplo e belíssimo, sendo assim a caminhada pelos jardins é parte do passeio. Eu particularmente gostei caminhar com o mapa nas mãos, buscando as obras espalhadas e tendo diferentes reações ao encontrar cada uma delas. Algumas me surpreenderam, outras decepcionaram, mas todas tiveram algum efeito. Sendo assim, se você gosta de caminhar, compre apenas o ingresso, mas se você prefere um pouco de mordomia, você pode pagar R$ 20,00 a mais para usar o sistema de transporte interno, no qual carrinhos elétricos (como os de golfe) levam os visitantes aos locais mais distantes.

Bilheterias e loja de presentes

carrinhos elétricos levam os visitantes em 3 diferentes rotas dentro do parque, ótimo para visitas as obras mais distantes

Começar o passeio é simples, pegue um mapa do parque, distribuído gratuitamente na entrada, se localize, e comece a caminhada, eu recomendo que você vá ticando cada uma das obras/galerias que ver, e direcionando seu caminho de modo a passar pelas obras que mais lhe interessem. Tenha em mente que o parque é grande e com diversas obras, no dia de minha visita haviam 24 obras e 18 galerias espalhadas pelo parque, e como você poderá observar, o parque esta em expansão e novas obras e galerias serão inauguradas em breve. Assim, em minha opinião, este não é um lugar para ser explorado em apenas um dia, na correria, mas com calma, aproveitando a beleza do parque, com seus lagos, aves, árvores e flores e parando para fazer uma leitura dos trabalhos expostos. Se quiser planejar passar um final de semana por lá, melhor ainda, para ver onde se hospedar em Brumadinho, clique no link.

com seus lagos, aves e arvores e flores a Natureza é a principal obra de arte exposta no parque

Reserve seu hotel em Brumadinho pelo Booking.com

Reserve seu hotel em Brumadinho pelo Booking.com

Não vou me atrever a fazer nenhuma análise das obras, pois creio que cada pessoa tem uma interpretação diferente, de acordo com sua cultura, valores e estado de espírito, mas se você quiser ler mais a respeito das obras e dos artistas, clique nos links.

Edgard de Souza: sem título. Uma das obras que mais me chamou a atenção

detalhe da obra de Edgard de Souza

Hélio Oiticica: Invenção da Cor, penetrável Magic Square

Yayoi Kusama: Narcissus Garden. Levadas pelo vento as 500 esferas de aço inoxidável fazem desta obra uma escultura em constante mutação.

Dan Graham: Bisected triangle. Esta obra feita com vidros espelhados atrai a atenção do visitante com a mixagem dos reflexos do exterior com o das as pessoas em seu interior

Cildo Meireles: Inmensa, com sua grande mesa e uma seqüência de cadeiras…

Olafur Eliasson – Means of a Sudden Intuitive Realization. Ao entrar neste Iglu de fibra de vidro, você verá uma fonte d água iluminada por uma luz estroboscópia, dando a impressão de que as gotas d’água estão paradas no ar. Não se recomenda a visita se você sofre de claustrofobia ou de epilepsia

Paul Mccarthy: Boxhead

Tunga: Deleite

Tunga: Lézart, aço, cobre e imã

Repare no banco sob a árvore. Fiquei imaginando o tamanho do tronco usado para o fazer.

Zhang Huan: Gui Tuo Bei

Waltercio Caldas: Escultura para todos os materiais não transparentes, mármore e madeira

Os móveis feitos em madeira chamam a atenção pela beleza e design

Marepe: A Bica

Eugenio Dittborn: La VI historia del rostro (El Rojo Cmino Negro)

Jarbas Lopes: Troca Troca

Galeria Cosmococa. A visita nesta galeria com instalações interativas é obrigatória em minha opinião

Giuseppe Penone – Elevazione

Chris Burden: Beam Drop Inhotim 2008

detalhe da Beam Drop Inhotim 2008

Jorge Macchi: Piscina 2009

Valeska Soares: Folly. Não perca a oportunidade de visitar seu interior com paredes espelhadas, nas quais são projetadas imagens de dançarinos que se fundem ao reflexo dos visitantes.

Interior de Folly, onde ao som de “The Look of Love” de Burt Bacharach as imagens dos dançarinos interagem com as dos visitantes

Dominique Gonzalez-Foerster: Desert Park; uma coleção de pontos de ônibus em concreto

Fachada da Galeria Adriana Varejão, a mais bela em minha opinião

Espero que este post os animem a visitar Inhotim, que é um passeio para toda a família. Adultos, crianças e idosos podem aproveitar plenamente o dia. Restaurantes, quiosques com cachorros-quentes e pizzas, e lanchonetes garantem a alimentação para todos os gostos e bolsos. Além disto sanitários e fraldários estão dispostos por todo o parque, facilitando muito a vida de quem está com crianças. Sendo assim, quando vier, planeje passar o dia e você certamente irá gostar muito. Eu pessoalmente já estou planejamento minha volta, pois este é o tipo de lugar que ao voltarmos para casa e começarmos a olhar as fotos, nos desperta a vontade de retornar, para rever algum detalhe ou ver o que não tivemos tempo na primeira visita.

Ficha Técnica:

Horários de funcionamento: Terça a sexta-feira: 9h30 às 16h30 – sábados, domingos e feriados: 9h30 às 17h30 (fechado às segundas-feiras)

Ingressos: Terça e quinta-feira: R$ 25,00 – Quarta-feira (exceto feriado): entrada gratuita* – Sexta, sábado, domingo e feriado: R$ 40,00 – crianças até 5 anos não pagam – Você pode fazer a compra on line do ingresso neste link.

Transporte interno: R$ 20,00/pessoa (rotas pré-determinadas)

Como chegar: o site de Inhotim oferece um link que lhe indica o melhor percurso de carro ou ônibus, basta indicar sua cidade de saída que ele lhe dá o roteiro. Use este link para ver seu roteiro.

 

Siga o Phototravel360 no Twitter – @phototravel360

Curta o Phototravel360 no Facebook – Phototravel360

Visite o Campos do Jordão 360 no Facebook – CamposdoJordão360

Assine o Phototravel360 por email – Phototravel360

This Post Has 7 Comments
  • Terça Feira é o meu dia. Irei visitar o Inhotim e, como tenho apenas 1 dia, já montei o meu roteiro e este tópico ajudou bastante na hora de selecionar as obras e galerias a serem visitadas. Não vejo a hora de conhecer!!!

    • que legal, aproveite bem, este museu é lindo.

  • O post está muito, mas muito melhor do que o site do Inhotim, talvez a única coisa que deixe a desejar em relação ao lugar. O site deles não é nada amigável e a qualidade das imagens são bastante ruins. Agora sim me sinto, de fato, estimulada a conhecer o local. Parabéns pelas belas fotos.

    • Ana,

      Inhotim realmente é um lugar que merece ser visitado. Pode ir, que eu garanto que você não vai se arrepender.

      obrigado pelo comentário,

      Edson Maiero

  • Não sabia que existia um parque nessas dimensões no Brasil! isso é coisa de 1º mundo. Bacana todo. Ficou nos meus planos para uma visita na nossa próxima ida a Minas Gerais do Brasil, que amo tanto.

  • Eu estive no Inhotim em 2008 e voltei completamente apaixonada. Mas acho que essa é a reação mais comum, né? 😉 Três anos depois, além de querer rever as obras de que mais gostei, há várias novas obras para eu visitar!

    • Camila, realmente Inhotim é apaixonante e sempre nos deixa com aquele sentimento de quero mais.

Comments are closed.