Tomando um banho de sal na Laguna Cejar, o Mar Morto do Atacama

Tomando um banho de sal na Laguna Cejar, o Mar Morto do Atacama

O tour até a Laguna Cejar é um dos mais procurados em San Pedro de Atacama e nós não podíamos ficar de fora. Fizemos o tour pela Altiplano Aventura e o ônibus lotado, em vez das acanhadas vans, confirmava a popularidade do passeio.
Saímos as 16h00 e o primeiro destino foi a Laguna Tebinquiche, que devido a falta de água estava mais para um espelho de sal. Realmente um lugar muito bonito. Ao descemos do ônibus começamos a andar pelo de sal, tendo como objetivo, chegar até uma lâmina d’agua que teimava em não evaporar, apesar do forte calor do sol. Não demorou e mais da metade do grupo estava descalço, caminhando pela grande poça d’água.
Ficamos por lá uns 30 minutos, e vendo a reação das pessoas descalças, percebi que é muito bom caminhar sem os sapatos naquela água, desde que, você não tenha nenhum machucado nos pés. Afinal, qualquer um que já deixou sal cair em uma ferida sabe o quanto dói.

Atacama, Laguna Tebinquiche

O lago de sal: Laguna Tebinquiche

Laguna Tebinquiche

Atacama, Chile, Laguna Tebinquiche

Atacama, Laguna Tebinquiche

se estiver com os pés machucados não fique descanço aqui

Dali paramos nos Ojos del Salar: dois poços circulares, cheios de água doce e que estão entre a Laguna Cejar e o Salar do Atacama. Aqui é um ótimo lugar para dar um mergulho, mas apenas de você souber nadar, uma vez que aqui não dá pé.
Infelizmente, nosso jovem guia estava em treinamento, e não sabia nada de nada, por isto quase ficamos sem nenhuma explicação, por mais esdrúxula que fosse sobre a origem destas formações. A sorte foi que, enquanto o guia descia correndo do ônibus, para ser o primeiro a mergulhar, o motorista nos deu uma rápida explicação: estes dois poços seriam efeito da erosão das águas do rio subterrâneo que corre por ali, sobre as rochas salinas do subsolo. Com isto a superfície desabou, abrindo estas interessantes formações.

Atacama, Ojos de lo Salar

Ojos de lo Salar: água doce em pleno deserto

Bom finalmente partimos para a Laguna Cejar, uma lagoa com uma alta concentração de sal, maior até do que a do Mar Morto. Com isto, é praticamente impossível afundar em suas águas. E é o que atrai multidões de turistas para cá: ficar boiando na salmoura.
Para entrar paga-se $2.000 pesos chilenos, mas nem por isto espere qualquer tipo de infra-estrutura. Assim que o ônibus parou, todos se trocaram e partiram desesperados para a água. Eu que estava menos afoito, percebi que as pessoas que tentavam sair da água, estavam andando lentamente e fazendo caretas. Me troquei e comecei a entrar, e descobri porque as pessoas faziam aquelas caretas: o chão estava coberto de cristais de sal, que cortam como navalhas. Voltei para a areia, afinal não curto sofrer.

Atacama, Laguna Cejar

Laguna Cejar: não entre na água pela margem que fica de fronte ao estacionamento, está cheio de cristais de sal que cortam os pés. Procure entrar pela margem ao fundo, próxima da cobertura

Atacama, Laguna Cejar

repare no cuidado das pessoas para caminhar pelos cristais de sal

Enquanto estava na areia, percebi que na margem lateral as pessoas andavam normalmente, fui até lá e não haviam cristais de sal, apenas areia. Entrei na água gelada, mas fiquei pouco tempo, pois não achei muita graça em ficar boiando por lá. Me senti como aqueles ovos de botecos, que ficam lá, semanas boiando em um jarro. Preferi sair para fotografar.
Em segundos a água evaporou e eu estava como um bacalhau: todo branco devido ao sal que secou em meu corpo e bermuda, e o que é pior, o local não conta com nenhum chuveiro de água doce, para que os banhistas se lavem após a brincadeira. Ou seja, pagamos $2.000 pesos chilenos e não tivemos nada em troca.

Atacama, Laguna Cejar

No centro da laguna as pessoas bóiam, apesar dos mais de 20 metros de profundidade

Vulcão Lincancabur, Atacama, Laguna Cejar, Laguna Tebinquiche

Vulcão Lincancabur

Atacama, Laguna Cejar

Uma vista da Laguna Cejar

O tempo foi passando e as pessoas foram saindo da água, e enquanto aguardávamos o pôr do sol, tomamos um lanche a base de pisco sour. Faltando uns 20 minutos para o sol se pôr, me dei conta de que não achava meu celular. Conclusão fiquei o tempo todo procurando por ele, e nem vi quando escureceu, mas as pessoas me disseram que foi muito bonito. Mas no momento, só pensava que teria que comprar um telefone novo.

 

Siga o Phototravel360 no Twitter – @phototravel360

Visite o Phototravel360 no Facebook – Phototravel360

Assine o Phototravel360 por email – Phototravel360

This Post Has 6 Comments
  • Apenas atualizando… eu e minha namorada acabamos de conhecer as lagunas… atualmente ja existe infraestrutura para banho com agua doce após entrar na laguna.. o preço tbm mudou e para entrar o ingresso passou passou para 15 mil pesos. outra mudança é que no lago tetbinquinche não pode mais entrar pois foi descoberto uma bacteria pre histórica no local e agora so podemos tirar fotos por um caminho q cerca o lago.
    att.

    • Thiago, obrigado pela informação. Que bom saber que agora podemos tomar um banho de água doce para tirar o sal.

      um abraço,

  • Então quer dizer que existem lagos por lá onde é possível o banho? Passei ao lado de uns quantos viajando de moto pelo Atacama, mas sozinho e sem orientação não tive coragem de entrar em nenhum. Vai saber o que poderia se esconder naqueles espelhos de água perdidos entre as montanhas…

    • Robson, na Laguna Cejar e nos Ojos do Salar, nadar é permitido sim. Não sei nos demais. Encontramos um riacho correndo em meio a um cânon, com uma água muito cristalina e um lugar lindo, e em alguns momentos dava vontade de entrar na água, mas estava fazendo um vento tão frio, que cortava qualquer barato.

  • Apesar da dor, é lindo né?

Comments are closed.