Comendo Bacalhau no Porto

Comendo Bacalhau no Porto

Sempre fiquei pensando se não deveria fazer como algumas pessoas que provam de tudo em suas viagens, por mais exótico que seja o prato. Eu confesso que não consigo me arriscar com comidas. Prefiro o tradicional neste campo.
Mas desta vez algo de diferente aconteceu. Estava voando da Ilha da Madeira para Porto, e no avião eu lia a respeito da cidade quando uma receita do “bacalhau a Lagareiro” me chamou a atenção. E decidi: este será o meu jantar. Isto pode ser uma decisão normal para a maioria das pessoas, mas quem me conhece sabe que eu não como peixes, então esta era uma decisão difícil e irracional para mim. Mas eu estava disposto a vencer este desafio.
Cheguei ao hotel por volta da hora do almoço, e resolvi que não comer nada até o jantar, afinal assim, aumentava minhas chances de sucesso. Andei o dia inteiro, no final da tarde tomei um banho e me preparei para ir ao restaurante.
O restaurante escolhido era o Farol da Boa Nova, no Muro dos Bacalhoeiros, 115. Desci caminhando da Praça da Batalha até a beira do Rio Douro e ao chegar ao restaurante, tive minha primeira provação: o jantar só começaria a ser servido em uma hora. Olhei para os lados, mas não vi nenhum McDonalds, então resolvi andar e aguardar um pouco mais, em um grande desafio para controlar a fome.

Porto, Portugal, Rio Douro, Muro dos Bacalhoeiros, Restaurante Farol da Boa Nova, Gomes de Sá

Restaurante Farol da Boa Nova, no numero 115 do Muro dos Bacalhoeiros. Ao lado, na casa 114, uma placa indica que Gomes de Sá viveu lá. Ele foi o criador da famosa receita de bacalhau que leva seu nome

Retornei ao restaurante e fui o primeiro a me sentar. Um simpático garçom veio me servir, e expliquei que aquela era “minha primeira vez” e que queria um bacalhau que não tivesse o gosto muito forte ou salgado. Neste momento, eu virei a atração turística, com outras pessoas do restaurante me cercando e explicando as delícias do “bacalhau a Lagareiro”, o mesmo que havia chamado minha atenção no voo.

Porto, Portugal, Rio Douro, Muro dos Bacalhoeiros, Restaurante Farol da Boa Nova, Gomes de Sá

Restaurante Farol da Boa Nova: um ambiente pequeno, mas muito acolhedor

Pedi o bacalhau e uma porção de arroz (para garantir que comeria algo) e para me acompanhar na espera,  um bom  vinho branco do porto. O prato chegou, e lá estava ela, uma generosa posta de bacalhau grelhado, banhado em azeite e com batatas assadas. Dei a primeira garfada e para meu alívio, e orgulho do garçom que me atendia, gostei! A textura e o sabor estavam ótimos. Nada daquele cheiro forte de bacalhau ou gosto salgado, estava perfeito. Conclusão: comi tudo. Para finalizar, pedi um pudim de leite e retornei feliz e satisfeito ao hotel. Posso dizer que, assim como “O primeiro sutiã a gente nunca esquece” (campanha da Valiser de 1987), o primeiro bacalhau a gente nunca esquece.

Porto, Portugal, Rio Douro, Muro dos Bacalhoeiros, Restaurante Farol da Boa Nova, Gomes de Sá

aqui esta o delicioso “Bacalhau a Lagareiro”, nadando no azeite e cercado das batatas assadas

Porto, Portugal, Rio Douro, Muro dos Bacalhoeiros, Restaurante Farol da Boa Nova, Gomes de Sá

E para fechar, a conta.

E você? Qual foi a comida mais exótica que você já comeu em uma viagem? Compartilhe conosco na seção de comentários logo abaixo.

 

Edson Maiero

This Post Has 7 Comments
  • Y felicitaciones por la excelente foto de Porto desde Vila Nova de Gaia! Gran calidad!

  • Bacalhau é um dos meus pratos preferidos e n’O Porto foi onde provei o melhor. Você fez bem em se arriscar logo com um bacalhau em Portugal, Edson. Começou com o pé direito! 🙂

    • Rapha,

      realmente o bacalhau estava muito bom, valeu a pena ter me arriscado por lá.

  • Bravo Edson por atreverte! Cómo se puede absorber bien la cultura sino comiendo lo típico? Sin exagerar, claro!
    A mí me gustaron el Bacalhau a Bras y el Bacalhau con natas.
    Felicitaciones!

    • Enrique, em minha próxima viagem vou provar suas sugestões. Grande abraço.

Comments are closed.