Encontro das Águas

Encontro das Águas

Ver o encontro das águas dos Rios Negro e Solimões é um dos passeios mais esperados pelos visitantes de Manaus, e admito que comigo não foi diferente. Desde o momento em que agendei a viagem queria ver este fenômeno fantástico.

Saímos do hotel e pela primeira vez a lancha foi rio abaixo, seguindo a correnteza e foi muito interessante pois pudemos ver de perto a Ponte Rio Negro, ligando Manaus ao Município de Iranduba.

Recém inaugurada no dia 24 de Outubro, a ponte com seus 3.595 metros de extensão, foi construída no ponto mais estreito do Rio Negro e em alguns pontos, o rio atinge a profundidade de 55 metros. Ela é a maior ponte fluvial do Brasil e a segunda maior do mundo, perdendo apenas para a ponte sobre o Rio Orinoco, na Venezuela. Apesar de achar a ponte muito bonita, me veio em mente uma preocupação: com esta ponte, Iranduba irá se desenvolver e a mata em seu entorno corre risco. Vamos torcer para que isto não ocorra.

Ponte Rio Negro

detalhe da sinalização da Ponte Rio Negro

Após passarmos pela ponte, outro momento muito curioso foi ver o Porto de Manaus a partir do Rio Negro. Centenas de embarcações, de todos os tamanhos, se aglomeram, disputando cada espaço. O porto fervilha de vida. São barcos chegando e saindo a cada momento, devo confessar que olhando todo aquele movimento, me lembrei de uma grande rodoviária. Não tive a oportunidade desta vez, mas quando voltar a Manaus vou andar pelo porto e viajar de barco até Santarém e viver um pouco mais a realidade deste povo.

Porto de Manaus: movimento frenético de embarcações

Iberostar Grand: cruzeiros de luxo pelo Amazonas

Outra coisa me chamou a atenção neste ponto do rio: Postos de combustível flutuantes e alguns tem até lojas de conveniência e claro, todos aceitam pagamento com cartão.

posto de combustível com direito a loja de conveniência

Mais alguns minutos de viagem e a lancha parou. Olhamos para fora e a nossa volta víamos um encontro de gigantes acontecendo: as águas escuras do Rio Negro se encontrando com as águas barrentas do Rio Solimões. É deste encontro, em que as águas se recusam a se misturar e correm lado a lado por cerca de 6 quilômetros, que nasce o Rio Amazonas. A demora para as águas se misturarem se deve a diferença de temperatura e velocidade dos 2 rios: enquanto as águas do Rio Negro correm a uma velocidade de 2km/h e 22ºC, as do Rio Solimões seguem a uma média de 5km e 28ºC de temperatura.

encontro das águas escuras do rio Negro com as águas barrentas do Rio Solimões

o encontro das águas produz mosaicos que lembram quadros de arte moderna

encontro das águas: turistas observam a beleza deste fenomeno


Ficamos parados neste ponto por volta de 10 minutos e no final saí de lá satisfeito com o que vi. Mais uma vez a Amazônia não me decepcionou.

Para ler mais a respeito do Amazonas, visite os links abaixo:

Amazonas

Visitando o Boto Cor de Rosa

Conhecendo uma comunidade Indígena no Rio Negro – AM

Museu do Seringal na Amazônia

Video: Visita ao Recanto do Boto

Video: Saudação – Aldeia Dessana 

 

 

 

Edson Maiero

 

This Post Has 3 Comments
  • Que viagem fantástica! Amei as fotos e os relatos!
    Abraços,
    Mari Vidigal – ideiasnamala.wordpress.com

  • Parabens caro colega!@@!
    Sempre estou acompanhando seu trabalho!
    “Boa Viagem”

    • Grecco,

      fico feliz por saber que você continua me visitando neste espaço, um grande abraço,

      Edson

Comments are closed.