Atacama: visita ao Salar, Lagunas Altiplanicas e Tocanao – parte II

Atacama: visita ao Salar, Lagunas Altiplanicas e Tocanao – parte II

Após visitarmos o Salar de Atacana, nos dirigimos as Lagunas Altiplanicas, nome dado às Lagunas Miscanti e Laguna Miñiques, a 82 quilometros do Salar do Atacama. Chegando lá tivemos que comprar novos tickets ao custo de $5.000 pesos chilenos/pessoa, mas aqui estudantes tem direito a desconto.
As duas lagunas são pequenos lagos, próximas uma das outras e que em suas margens mostram a marca do sal que existe em sua água. Neste dia não vimos nenhum flamingo por lá, mas mesmo assim a beleza do lugar é indiscutível.  Aqui encontramos uma trilha a ser seguida e tem até sanitários disponíveis aos visitantes.

Chile, Atacama, Lagunas Altiplanicas

chegando às Lagunas temos uma parada para compra do ingresso, ao fundo a Laguna Miscanti

Chile, Atacama, Lagunas Altiplanicas

A passarela para que os turistas caminhem

Chile, Atacama, Lagunas Altiplanicas

visão da laguna

Deserto do Atacama: visita ao Salar, Lagunas Altiplanicas e Tocanao - parte I

detalhe da margem da laguna Miñiques, onde o branco do sal tem sua beleza a parte

Deserto do Atacama: visita ao Salar, Lagunas Altiplanicas e Tocanao - parte I

na laguna temos além da beleza um pequeno banheiro, algo raro no deserto

Chile, Atacama, Lagunas Altiplanicas

um momento de descanso antes de retornar o passeio

Após a visita às lagunas partimos para nosso último destino: Tocanao, um pequeno vilarejo que fica a 38 quilometros de San Pedro de Atacama. Um lugar muito simples e que vive dos turistas que ali passam para comprar artesanato e ver as suas casas, nas quais grandes pedras são usadas para manter no lugar as telhas de zinco usadas para cobri-lás.
E verdade seja dita, o grande sucesso aqui foi visitar uma Vicunha e uma Lhama, que ficam nos fundos de uma loja de artesanato. Todos gostamos muito de poder tocar estes dóceis animais e alimenta-los. Pelo que vi, eles adoram milho e usam o lábio inferior para puxar a comida em nossas mãos. Realmente esta foi uma experência única.

Chile, Atacama, Tocanao

As casas tem pé direito baixo e usam pedras para manter as telhas no lugar

Chile, Atacama, Tocanao

Lhama, facilmente reconhecida por ter sempre o rosto preto

Chile, Atacama, Tocanao

A vicunha é menor que a lhama, mas sua lã tem uma alta qualidade e bons preços de venda

Chile, Atacama, Tocanao

animais muito dóceis, as lhamas e vicunhas podem ser alimentadas com a mão, até pelas crianças

Chile, Atacama, Tocanao

na caminhada pelo vilarejo podemos ver a simplicidade de suas construções

Chile, Atacama, Tocanao

um velho caminhãozinho, abandonado em uma travessa

Chile, Atacama, Tocanao

artesanato local

Um outro ponto que achei muito interessante foi a igreja do vilarejo. Já havia visto igrejas que tinham a torre em uma construção ao lado, separadas fisicamente, mas lado a lado. Neste caso, a torre fica em frente a igreja, a uma distância de 20 metros.

Chile, Atacama, Tocanao

torre da igreja

Chile, Atacama, Tocanao

fachada da pequena igreja do vilarejo

Dali voltamos diretamente a San Pedro do Atacama, já eram 14h00 e um bom almoço era nossa prioridade.

Uma dica importante: em todos os tours que fizer no Atacama leve água, muita água. Lembre-se, estamos em um deserto e a unidade relativa do ar é muito baixa e em nenhuma das atrações, são vendidas água ou qualquer tipo de alimento. Sendo assim, prepare uma pequena mochila com água e algo para mastigar por lá, pois do contrário você irá sofrer.

Leia também a primeira parte deste tour: Atacama: visita ao Salar, Lagunas Altiplanicas e Tocanao – parte I

Siga o Phototravel360 no Twitter – @phototravel360

Visite o Phototravel360 no Facebook – Phototravel360

Assine o Phototravel360 por email – Phototravel360

 

Edson Maiero

This Post Has 4 Comments

Comments are closed.