Chapada Diamantina – dia 4 – Gruta Azul, Torrinha e Pratinha

Chapada Diamantina – dia 4 – Gruta Azul, Torrinha e Pratinha

O nosso 4o. dia no Parque Nacional da Chapada Diamantina foi light quando comparado ao esforço físico dos dias anteriores, mas a agenda foi cheia. Visitamos 3 grutas: a Gruta da Torrinha, a Gruta Azul e a Gruta da Pratinha, ou seja ficamos uma grande parte do tempo sob a superfície, em um ambiente totalmente diferente do que estamos acostumados no dia a dia, e a cada metro percorrido encontramos muitas surpresas que fizeram valer cada minuto do dia.

Nossa primeira parada foi na Gruta da Torrinha, e foi o passeio mais radical do dia: pois caminhamos um percurso de 3 km, ida e volta, pelos túneis da gruta, e em alguns momentos precisamos rastejar para passar pelas frestas entre das rochas.

No início do passeio são distribuídos capacetes e lanternas. Ande com atenção na gruta para não bater a cabeça no teto, uma vez que a altura varia constantemente e preste atenção no caminho, pois a escuridão é total. Durante a visita, os guias nos explicam as diversas formações rochosas e podemos ver uma surpreendente miniatura do Morro do Pai Inácio, esculpido ao longo de séculos pela natureza.

A entrada da Gruta da Torrinha fica atrás de uma linda árvore

A entrada da Gruta da Torrinha fica atrás de uma linda árvore

Logo na entrada nos deparamos com este enorme salão

Na entrada nos deparamos com este enorme salão

estalactites

estalactites

Flores de aragonita

Flores de aragonita

como explicar esta formação rochosa que é uma miniatura do Morro do Pai Inácio???

como explicar esta formação rochosa que é uma miniatura do Morro do Pai Inácio???

Helictites e cortinas no teto: processo de formação é inicialmente semelhante ao das estalactites, mas ao invés de se formarem verticalmente em direção ao solo, as helictites se desviam para os lados ou mesmo para cima

Helictites e cortinas no teto: o processo de formação é inicialmente semelhante ao das estalactites, mas ao invés de se formarem verticalmente em direção ao solo, as helictites se desviam para os lados ou mesmo para cima

Ao final da visita, nos deslocamos para a Gruta Azul. O acesso foi fácil com apenas uma pequena descida a ser vencida e conforme descemos podemos ver o lago que se forma no fundo gruta, com  águas cristalinas, que ao serem iluminadas pelo sol se colorem de azul e verde. Realmente é muito bonito de se observar. E importante, aqui não é permitido entrar na água.

iniciamos a descida da entrada da Gruta Azul

iniciamos a descida da entrada da Gruta Azul

durante a descida já podemos ver o azul das águas

durante a descida já podemos ver o azul das águas

Várias cores se formam conforme andamos nas margens do pequeno lago

Várias cores se formam conforme andamos nas margens do pequeno lago

O nosso último destino foi a Fazenda Pratinha, onde fica a gruta de mesmo nome. O local tem uma boa estrutura e oferece loja de artesanato, lago onde pode-se nadar ou andar de caiaque, tirolesa, e o ponto alto: flutuação no interior da Gruta da Pratinha, que fica tomada de água que se comunica com as águas da Gruta Azul.

A flutuação foi realmente o melhor do dia. Usando colete salva-vidas. máscara, snorkel e uma lanterna, percorremos uns 200 metros pela gruta e podemos observar a belezas de seu interior, tanto no alto como no fundo da água. Devido a escuridão e às águas transparentes nos sentimos flutuando no espaço.

O acesso à Fazenda Pratinha custa R$ 5,00 e a flutuação na gruta custa R$ 30,00.

Este lago de águas cristalinas esta a disposição para quem quiser nadar

Este lago de águas cristalinas esta a disposição para quem quiser nadar

Que tal mergulhar numa gruta? Eu mergulhei e foi incrível

Que tal mergulhar numa gruta? Eu mergulhei e foi incrível

 

Siga o Phototravel360 no Twitter – @phototravel360

Curta o Phototravel360 no Facebook – Phototravel360

Visite o Campos do Jordão 360 no Facebook – CamposdoJordão360

Assine o Phototravel360 por email – Phototravel360