Chapada Diamantina – dia 3 – Cachoeira da Fumaça

Chapada Diamantina – dia 3 – Cachoeira da Fumaça

Nosso terceiro dia na no Parque Nacional da Chapada Diamantina não foi exatamente fácil: 12 km, ida e volta, ainda mais depois de termos feito no dia anterior a Travessia Guiné-Capão, com 18 km, mas o prêmio valeu a pena: visitamos a Cachoeira da Fumaça, a mais alta do Brasil, com 380 metros, tão alta que as suas águas não chegam ao chão: são pulverizadas pelo vento antes e se transformam em um forte spray.

Veja no mapa do Parque Nacional da Chapada Diamantina onde fica a Cachoeira da Fumaça

Veja no mapa do Parque Nacional da Chapada Diamantina onde fica a Cachoeira da Fumaça

A trilha é organizada e na entrada temos um posto de identificação, onde devemos nos registrar em um livro de controle, e na saída devemos passar por lá e informar que estamos deixando o local.

Posto de identificação no início da trilha e também sua última chance de ir ao banheiro

Posto de identificação no início da trilha e também sua última chance de ir ao banheiro

Apesar da trilha ser classificada como de dificuldade média, o seu começo não é fácil, a subida para vencer os 350 metros de desnível parece interminável e desafia nossos músculos cansados. Cheguei a pensar se realmente valia a pena tanto sacrifício para ver uma “cachoeirazinha”. Com fiz nos dias anteriores, cada vez que me sentia cansado, começava a olhar a paisagem em busca do que fotografar, isto funciona para mim por dois motivos: primeiro me distrai e segundo,  cada parada rápida para uma foto significa alguns segundos de descanso, e para mim isto faz diferença.

A subida na trilha de pedras

A subida na trilha de pedras

O esforço tem suas recompensas, quanto mais subimos, melhor fica a vista

O esforço tem suas recompensas, quanto mais subimos, melhor fica a vista

Tem até fast food na trilha que leva à Cachoeira da Fumaça no Parque Estadual da Chapada Diamantina. Experimente o pastel de palmito de jaca e tome um suco.

Tem até fast food na trilha. Experimente o pastel de palmito de jaca e tome um suco.

Vencida a subida inicial, caminhamos por um terreno com poucos desníveis, o que facilita nossa vida. Ao longo da trilha temos 3 ou 4 bifurcações, onde pequenos avisos de papel informam a direção correta, mas é fácil se distrair e pegar a direção errada, então caso esteja sem um guia, fique atento a isto.

No platô, o terreno fica mais plano, mas temos que atravessar algumas "poças" d'água

No platô, o terreno fica mais plano, mas temos que atravessar algumas “poças” d’água

Ao chegarmos no topo da Cachoeira da Fumaça temos dois mirantes que permitem uma visão muito boa: basta deitar no chão e avançar com a cabeça em direção ao precipício abaixo e podemos ver um espetáculo incrível: a água que cai da cachoeira é dispersada pelo vento, e se transforma em uma névoa. Em alguns momentos podemos ver um arco íris formado sobre esta névoa, algo que não tem preço.

Como os mirantes não tem grade de proteção é importante que se tenha muito cuidado para não cair no abismo que se abre sobre seus pés, e em especial, não ficar muito na beirada, você pode acabar sendo empurrado por algum turista afoito. Ainda com relação a segurança, como ambos mirantes têm um leve declive geralmente os guias seguram as pernas do pessoal, afinal sempre queremos ir um pouco mais para frente para ter uma visão melhor da cachoeira.

Esta pedra tem mínima inclinação em direção ao precipício, mas ao me deitar nela, parecia que estava em um tobogã!!

Esta primeira pedra tem mínima inclinação em direção ao precipício, mas ao me deitar nela, parecia que estava em um tobogã!!

apesar do medo, a vista e as fotos valem a pena

apesar do medo de escorregar ou derrubar a câmera, a vista e as fotos valem a pena

Olha eu lá observando a queda d'água, mas desta vez preferi não arriscar

Olha eu lá observando a queda d’água na segunda pedra, mas desta vez preferi não arriscar

Cachoeira da Fumaça vista da segunda pedra

Cachoeira da Fumaça vista da segunda pedra

deu tempo até para ver um arco iris

deu tempo até para ver um arco íris

Após um rápido lanche retomamos a caminhada e fomos observar a Cachoeira da Fumaça em um mirante com uma visão lateral, que nos dá uma linda visão da cachoeira e do vale abaixo. Deste ponto podemos ver como os mirantes que acabamos de visitar ficam à beira do precipício (veja foto abaixo).

Acima podemos ver as duas pedras usadas como mirantes

Acima podemos ver os mirantes em que estávamos a pouco

Pronto, hora da volta. O fato da volta ser em grande parte descida, ajuda com certeza, mas é preciso ficar atento com pedras soltas e cuidar dos joelhos, uma vez que a descida acaba por exigir bastante dos músculos da perna.

descida da trilha da Cachoeira da Fumaça

descida da trilha da Cachoeira da Fumaça

Pausa para o lanche: experimente o pastel de palmito de jaca

Pausa para o lanche: experimente o pastel de palmito de jaca

Retornando à entrada da trilha paramos para um rápido lanche: pastel de palmito de jaca e caldo de cana e depois seguimos para um passeio realmente light: uma cachoeira no Parque Municipal Natural do Riachinho, onde é possível nadar e tomar um banho sob a queda d’água.

Cachoeira do Riachinho: um momento para relaxar da caminhada de 12 km

Cachoeira do Riachinho: um momento para relaxar da caminhada de 12 km

Hora de voltar para o hotel e descansar, afinal o dia seguinte seria cheio de novas atrações.

 

Siga o Phototravel360 no Twitter – @phototravel360

Visite o Phototravel360 no Facebook – Phototravel360

Visite o Campos do Jordão 360 no Facebook – CamposdoJordão360

Assine o Phototravel360 por email – Phototravel360