Mosteiro de Batalha

Mosteiro de Batalha

O Mosteiro de Batalha ou Mosteiro de Santa Maria da Vitória, começou a ser construído em 1402, para comemorar a vitória de João I sobre Costela em Aljubarrota, que fica 15 km ao sul de Batalha e com esta vitória Portugal seguiu independente da Espanha por mais de 200 anos.

Declarado patrimônio da humanidade pela UNESCO e uma das sete maravilhas de Portugal, o mosteiro que hoje simboliza a soberania portuguesa e o poder da casa de Avis é uma obra prima da arquitetura gótica, tendo a construção consumido dois séculos e atravessado o reinado de sete reis portugueses.

Mosteiro de Batalha: em destaque vemos a Estátua de Nuno Álvares Pereira, que comandou a vitória das forças portuguesas contra os castelhanos em Aljubarrota

entrada principal do mosteiro

O portal da entrada principal foi decorado com estátuas dos apóstolos em estilo gótico

as luzes que passam pelos vitrais atrás do coro e criam mosáicos coloridos nas colunas do mosteiro

Entre os destaques do mosteiro temos o claustro real, mais elaborado que o Claustro de D.Afonso V, é construído em pedra ricamente trabalhada, possui um lindo jardim e é cercado de corredores com abóbodas no teto e um belo rendilhado manuelino nas janelas.

Claustro Real: repare no belo jardim e no rendilhado manuelino que enfeita as janelas

Claustro Real: arcos góticos embelezam o corredor que o cerca

Casa Paroquial: soldados fazem guarda ao túmulo dos soldados desconhecido

Os monges lavavam as mãos antes e depois das refeições nesta fonte construída em 1450

Outro ponto alto, a Capela do Fundador, na qual encontramos os túmulos de D.João I e Filipa de Lancaster. O túmulo de seu filho, Henrique, o Navegador também se encontra nesta capela.

Capela do fundador: túmulo de João I e sua esposa Filipa de Lancaster

As capelas inacabadas se situam na parte de trás do altar mor e seu acesso se dá apenas pelo lado externo do mosteiro. A construção foi iniciada pelo Rei Duarte, mas foi abandonada pelo Rei Manuel I, que preferiu concentrar seus esforços na construção do Mosteiro dos Jerônimos. Talvez seja dai que venha o péssimo hábito de nossos políticos de não darem seqüência às obras de seus antecessores.

Capelas Inacabadas: Portal Manoelino foi entalhado por Mateus Fernandes em 1509

 Quer ler mais sobre Portugal? Visite nossa página a respeito.

 

Edson Maiero