Atacama: Vale de Cactus e Termas de Puritana

Atacama: Vale de Cactus e Termas de Puritana

Este foi um tour que realmente me surpreendeu. Sabe quando você planeja ir a algum lugar, mas suas expectativas são baixas? Pois bem, este foi o caso, e o resultado é o tour foi muito bom e valeu muito a pena. Na primeira parte fomos para o Valle de Cactus, um verdadeiro oásis em pleno deserto: ao centro um riacho corta o vale e em suas encostas temos os cactos, centenas deles, crescendo em meio as pedras.

Atacama, Chile, Valle de Cactus

Valle de Cactus: as encostas áridas, cobertas de rochas e cactos, enquanto isto no fundo do vale temos um pequeno rio

Andamos alguns metros e tivemos nosso primeiro contato com os cactos e ficamos sabendo de duas coisas: a primeira é que eles têm em seu interior, um tronco, e a sua madeira é muito usada nas construções no Atacama. A segunda informação interessante é que um cacto cresce lentamente, entre 1mm e 10mm por ano, dependendo da umidade disponível. No mesmo instante todos começaram a calcular a idade dos cactos ao nosso redor: um cacto de 3 metros, que tenha tido sorte e conseguido muita água, têm no mínimo 300 anos… e um azarado, que passou muita sede, teria uns 3000 anos… Segundo nosso guia, a maioria dos grandes cactos por lá, têm mais de 1000 anos.

Atacama, Chile, Valle de Cactus

no interior do cactos há um tronco, cuja madeira é usada nas construções locais

Atacama, Chile, Valle de Cactus

O rio de águas cristalinas e fria corre pelo vale: estamos em um oásis no deserto

Seguimos pelo vale e a vegetação que cobria o riacho começou a rarear, deixando a água, algo tão raro no deserto, a mostra e o vale deu lugar a um cânion rochoso. Seguimos o leito do rio, tendo que as vezes descer por algumas quedas d’água. Para quem gosta de trecking, em um lugar bonito, isto é um prato cheio. Até uma cobra, nos encontramos no caminho, escondida entre algumas pedras. Pablo, nosso guia, disse que era a primeira vez que ele via uma cobra no Atacama e tirou algumas fotos para pesquisar sua espécie.

Atacama, Chile, Valle de Cactus

o vale se transforma em um cânion rochoso

Atacama, Chile, Valle de Cactus

Olha a cobra!!

Atacama, Chile, Valle de Cactus

no caminho encontramos pequenas cascatas

O final desta parte do tour foi quando alcançamos um grande cacto: El Abuelo (o avô). Com quase 5 metros de altura, e certamente alguns milhares de anos de idade, todos quiseram ser fotografados a seu lado, até eu, que não gosto de sair em fotos, fiz questão de uma fotinha com o avozão.

Atacama, Chile, Valle de Cactus

El abuelo: este cacto, além de enorme é muito velho, mais de mil anos, eu até abri uma excessão e quis ser fotografado a seu lado

Atacama, Chile, Valle de Cactus

El abuelo (avô) em um outro ângulo: os cactos crescem entre 1 e 10 mm por ano

Atacama, Chile, Valle de Cactus

hora de voltar

Atacama, Chile, Valle de Cactus

na van, a caminho das Termas de Puritana

Seguimos para as Termas de Puritana, um riacho de águas quentes, aquecidas pela atividade vulcânica, e que passa por 8 piscinas no fundo do vale. O local tem uma boa estrutura, considerando-se que estamos no Atacama: o Hotel Explora, que administra o local, construiu passarelas de madeira, vestiários e sanitários, mas não existe qualquer tipo de comercialização de alimentos e bebidas por lá.

Chile, Atacama, Termas de Puritana

As termas ficam no fundo de um vale, e para chegar lá temos que descer por uma trilha

Chile, Atacama, Termas de Puritana

conforme descemos podemos ver as passarelas montadas pelo Hotel Explora

Chile, Atacama, Termas de Puritana

Existem 8 piscinas ao longo do riacho, todas com água cristalina em torno de 35ºC

Chile, Atacama, Termas de Puritana

Aqui não dá para nadar e muito menos mergulhar, o négocio é ficar sentado relaxando e jogando conversa fora

A água é cristalina e tem uma temperatura muito agradável que varia entre 37ºC e 35ºC. As piscinas são rasas, com a água batendo um pouco acima do joelho, então o negócio é ficar sentado, relaxando e conversando. O problema é no momento de sair da água para ir para outra piscina: o vento frio é uma tortura, e acabamos ficando o tempo todo no mesmo lugar.

Chile, Atacama, Termas de Puritana

pronto, hora de entrar na água

Atacama, Termas de Puritana, Chile

Pernas brancas e sem protetor solar: a noite foi quase impossível dormir devido as queimaduras

Chile, Atacama, Termas de Puritana

pessoal aproveitando a água, repare como ela é transparente

Chile, Atacama, Termas de Puritana

Estamos no deserto, mas o vento que corta o vale é muito frio e é uma tortura no momento de sair da água

Quando saímos das termas, precisaríamos andar morro acima até o carro, mas o dia foi tão bom, que até conseguimos uma carona com uma pick up que faz a logística no local. O único problema foi a noite, como não passei protetor solar, e sou branco, ou melhor super branco, o sol castigou minhas pernas e costas e tive problemas para dormir, devido as queimaduras.

Dados técnicos:

  1. duração: 4 – 5 horas
  2. preço: $20.000 pesos chilenos
  3. ingresso nas Termas de Puritana: pela manhã $15.000 pesos chilenos, a tarde $9.000 pesos chilenos, sendo assim, prefira fazer o tour após o almoço
  4. leve protetor solar, pois mesmo em dias nublados o mormaço queima muito
  5. leve água e algum alimento, pois não onde comprar por lá

 

Siga o Phototravel360 no Twitter – @phototravel360

Visite o Phototravel360 no Facebook – Phototravel360

Assine o Phototravel360 por email – Phototravel360

This Post Has 3 Comments
    • Natalie,

      que legal, muito obrigado pela escolha.

      Edson

  • Esses cactos são mesmo impressionantes. Não sei se você já teve a oportunidade de visitar o Salar de Uyuni – Isla del Pescado, que está repleta desses cactos milenários. Lá existem exemplares com até 12 metros de altura!

Comments are closed.