Viajar pela primeira vez à Amazônia é entrar em um mundo totalmente novo e diferente. Algumas vezes chegamos a esquecer que estamos no Brasil, tamanho são as diferenças culturais e ambientais em relação ao resto do Pais, especialmente São Paulo, onde moro.

Lá não existem estradas interligando as cidades, e sim os Rios Negro, Solimões e Amazonas e seus afluentes que servem de estradas e avenidas para um grande número de embarcações, pequenas, grandes, com motor de popa ou a remo, todas cruzando suas águas e transportando materiais, comidas, móveis e pessoas. Outro fato curioso são as casas flutuantes próximas as margens, famílias morando em barcos e postos de gasolina no meio do rio, para que seja possível abastecer os barcos.

Nesta viagem preferimos um hotel de selva, para ficarmos mais próximos da natureza. Assim sendo, após desembarcarmos no aeroporto de Manaus, fomos direto para um pequeno ancoradouro às margens do Rio Negro, onde pegamos uma lancha para a travessia. Enquanto atravessávamos os cerca de 10 km que separam as 2 margens naquele ponto, pensava em como somos pequenos perante ao volume de água que passa por aqueles rios, e o mais incrível, o Rio Negro estava 20 metros abaixo de seu ponto máximo, o que ocorre no período de cheia que começa em janeiro.

Em nosso passeio inaugural ao Amazonas tentamos conhecer um pouco da natureza e este povo alegre e simples, mas com uma riqueza cultural enorme que me surpreendeu e motivou a planejar voltar em breve.

Como não podia deixar de ser, a grande maioria dos passeios são feitos de barco. No nosso caso, preferimos agendar diretamente com o Hotel Tiwa, onde ficamos hospedados, mas você pode se valer de algumas das agencias de turismo de Manaus que prestam estes serviços. Acompanhe nos links abaixo como foi nossa experiência em conhecer a Amazônia e espero que vocês gostem e fiquem inspirados para visitar a Amazônia também

Nosso primeiro passeio na Amazônia não poderia ter sido mais marcante: fomos visitar o boto cor de rosa em seu habitat natural no Rio Negro.Leia mais: Visitando o Boto cor de rosa e vídeo: Visita ao Recanto do Boto
Nosso segundo passeio na Amazônia, foi visitar a comunidade indígena Tupé, da aldeia Dessana. Vou confessar que este era o passeio que menos me atraia, pois para mim não será em 4 horas que iremos conhecer a cultura de um povo.Leia mais: Conhecendo uma Comunidade Indígena no Rio Negro e vídeo: Saudação – Aldeia Dessana 
  “Uma verdadeira aula sobre um importante momento da história do Brasil. Creio que está é a melhor definição para a visita ao “Museu Seringal Vila Paraíso“. Como das vezes anteriores a lancha foi nosso meio de transporte e lá fomos nós navegando 1 hora em direção ao alto Rio Negro.Leia mais: Museu do Seringal na Amazônia

Ver o encontro das águas dos Rios Negro e Solimões é um dos passeios mais esperados pelos visitantes de Manaus, e admito que comigo não foi diferente. Desde o momento em que agendei a viagem queria ver este fenômeno fantástico.

Era nosso último dia na Amazônia e ainda não tínhamos tido a oportunidade de conhecer Manaus. Como tínhamos algumas horas antes de embarcar de volta a São Paulo, deixamos o hotel Tiwa logo cedo e atravessamos o Rio Negro para fazer um city tour agendado no próprio hotel e em…

 

Siga o Phototravel360 no Twitter – @phototravel360

Visite o Phototravel360 no Facebook – Phototravel360

Assine o Phototravel360 por email – Phototravel360

 

Edson Maiero

[ois skin=”compartilhe”]

This Post Has 3 Comments
  • Olha eu aqui de novo namorando essa trip sua, amigo.
    To louca para ir.
    Pensei nesse feriado de abril.
    Bjs

  • Oi Edson!
    Acompanhei essa sua viagem e achei muito bacana.
    Quando você foi?
    E qual a melhor época do ano que você acha que seja legal pra ir?
    Parabéns pelo blog!
    Bjs
    Fa

    • Fabiola,

      Eu fui para lá no início do mês de janeiro e o nível do Rio Negro ainda estava baixo, com isto não pude fazer os passeios de barco pelos iguapés e ao visitar as vitórias régias fiquei decepcionado, pois elas estavam super feias. Durante o período de chuvas a temperatura é mais amena, e eles chamam isto de Inverno, não recomendo ir para lá entre maio e junho, pois é quando o nível do rio Negro atinge o volume máximo e pode atrapalhar alguns passeios.

Leave a comment